Categorias
Blogue Idade Digital

Trânsito: Autoescolas e faixas de pedestres

Muitas faixas estão em locais impróprios, dificultando o trânsito fluir na cidade, mas quem está errado? O condutor ou o pedestre? Nessa quarta matéria da série, vamos trazer todos os aspectos que cerceiam as faixas e falta de mobilidade nas ruas de Unaí. Confira!

A famosa faixa de pedestre do mundo na rua Abbey Road onde os Beatles fizeram a capa de um CD é a mesma que foi pintada de forma impensada e também é usada de forma errada em Unaí-MG. Por que essa comparação? Estamos falando de faixas de pedestres nas esquinas, onde o carro que precisa parar fica no meio do cruzamento, e então, tem duas opções: passar e infringir uma lei ou ficar e infringir outra lei. A Polícia Militar alega que o motivo principal para a pintura das faixas em algumas esquinas é por causa da insistência dos pedestres em passar fora da faixa, apenas nas esquinas, o que acabaria por causar vários acidentes.
Na primeira matéria sobre o trânsito de Unaí, o ID mostrou que o trânsito unaiense já não é mais o mesmo para o qual as ruas foram projetadas, assim como também o trânsito necessita de um projeto de reestruturação, pois a correção já se mostra complicada demasiadamente para ser feita. Semáforos em locais com grande vulnerabilidade de acidentes, placas escondidas, faixas em esquinas onde não deveriam estar, condutores imprudentes utilizando a faixa de pedestre como local de estacionamento, entre outros problemas que vêm se manifestando cada vez mais na cidade.
Faixas de pedestres X Condutores
Não é difícil você ver pessoas conversando em cima da faixa ou passando numa vagareza eterna. Do mesmo modo, é possível observar condutores de carros, motos e bicicletas desrespeitando a faixa de pedestres, colocando seus veículos bloqueando a passagem dos pedestres ou ainda não parando quando os pedestres estão na faixa. Quem está errado? O condutor ou o pedestre? A pergunta deve ser feita a si mesmo: o que a lei diz? Sinalizei com a palma da minha mão para o condutor entender que quero passar na faixa? Observei dos dois lados para ver se há alguém querendo passar?
Enfim, essas perguntas, baseadas no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), regem a convivência no trânsito. Dia 21 de abril, comemora-se o dia da paz no trânsito e ainda dá tempo de você, condutor e pedestre, se reconciliarem. Cada um em seu devido lugar, atentando-se para suas obrigações. Não seja omisso! Se coloque no lugar de uma mãe com um bebê, ou melhor, de uma grávida que deseja atravessar a faixa. Lembre-se que consciência é a palavra-chave.
Portanto, as faixas são importantes para o trânsito, no entanto, é preciso ter consciência para usá-las, lembrando que cada um tem seu dever e seu direito quando se fala em trânsito. E mais uma vez, é preciso reiterar que faixas de semáforos são faixas em que o condutor só está obrigado a parar quando o sinal para o pedestre estiver verde.
Faixas de pedestres X Acessibilidade
Em janeiro, recebemos uma frase em nossa matéria que atentou diretamente para o estudo das dificuldades que um cadeirante e um deficiente visual têm para andar em Unaí-MG. Uma pequena área, somente o centro da cidade, tem características reais de acessibilidade. Com certeza, é uma área também deficiente do nosso município as rampas de acesso, que quando existem, na maioria das vezes, são bloqueadas por veículos. Acessibilidade ou mobilidade é a chave para uma convivência melhor de todos, independente da condição física de cada um.

Subornando vidas nas estradas
Nós acompanhamos um dia de realização dos exames de direção por alunos de várias autoescolas em Unaí. A situação é, no mínimo lamentável. Muitos condutores ousam em “comprar a sua carteira com vidas nas estradas”, tudo funciona de modo secreto e poucas vezes conseguimos indícios de que isso está sendo feito. Infelizmente, pela pouca estrutura de equipamentos que dispomos, não conseguimos flagrar o momento em que o instrutor recebe do aluno uma quantia “gorda” em dinheiro e logo depois o aluno sai com a o papel de aprovação, logo na primeira vez que faz o teste.
Muitos condutores que estão em fase de testes e que já foram reprovados alegam que “para passar de primeira, tem que pagar”, eles alegam ainda que quando você resiste, “eles te dão várias bombas e então você tem que pagar os testes novamente, que custam acima de R$100,00 cada”. A quantia de suborno pedida, segundo eles, varia, chegando a cerca de R$800,00. Esse é o preço de uma vida que pode ser eliminada por esse condutor também corrupto em pagar para retirar a licença para dirigir um veículo.
O ID, em virtude da falta de provas claras, não procurou as autoridades responsáveis nem a autoescola pela qual o instrutor visto responde. Com certeza, essa máfia que atravessa as fronteiras de Unaí e estão há dezenas de anos em milhares de cidades brasileiras é uma das causas de condutores que são considerados verdadeiros assassinos nas estradas brasileiras. O intuito maior desse relato é reacender os olhos das autoridades para essa máfia que, infelizmente, permeia órgãos que deveriam combater a corrupção.
Existem exceções e esse esquema, como todos sabem, é muito antigo e já foi desmascarado em outras cidades do Brasil, mostrados em grandes redes de televisão, esses verdadeiros corruptos que estão subornados pelos mesmos que hoje alavancam cada vez mais o ranking de acidentes com vítimas fatais nas estradas brasileiras. O rigor ainda maior da nova Lei Seca dificultou e diminuiu um pouco destas estatísticas, mas ainda há um longo caminho a trilhar. E por falar em carteira nacional de habilitação, é importante lembrar que as pessoas deficientes também podem obtê-la de forma igual.
A quinta e última matéria da série “Trânsito: é preciso mudar!”, virá ainda na primeira quinzena de março. Essa série do ID que durou mais de dois meses será encerrada com um grande panorama e as expectativas da implantação da faixa azul no município. Traremos também entrevistas com motoristas e pedestres, para saber qual a real situação do trânsito em Unaí. Siga-nos em @idcidadania.
No trânsito, celular mata, bebida mata, brincadeira mata, imprudência mata, corrupção mata e carteira ‘comprada’ mata. Por isso, a consciência é palavra-chave. Trânsito: é preciso mudar! Compartilhe essa ideia!
Bruno de Oliveira Rocha

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

0 resposta em “Trânsito: Autoescolas e faixas de pedestres”

Que bom que a prefeitura esta pintando várias faixas de pedestres pela cidade. Algumas dessas faixas, que deveriam ajudar o melhor andamento do trânsito, dificultam ainda mais a vida de pedestres e também de motoristas. Em diversos pontos da cidade, elas estão bem na esquina/cruzamentos como você mesmo mencionou na postagem, elas estão quase invisíveis.
Quando Antério estava a frente da prefeitura, por diversas vezes ele também pintava as faixas. A tinta utilizada na pintura das mesmas se desgastavam muito rapidamente, espero que não seja o caso das atuais que estão sendo pintadas.
Sendo assim torna-se difícil enxergar as faixas, daí pedestres ficam em dúvida sobre o momento de atravessar as vias, e motoristas correm o risco de não diminuir a velocidade, podendo ocorrer um acidente. E agora, aguardando quinta e última matéria da série “Trânsito: é preciso mudar!” Bruno, sugiro além dos temas que você está preparando para dentro dessa matéria, uma conclusão de todas que você publicou no ID.

Luiz Paulo, obrigado pelas relevantes sugestões e com certeza, serão levadas em consideração na hora de redigir a próxima matéria.
Quanto às faixas de pedestres, só o tempo irá nos dizer sobre a qualidade da tinta; felizmente, temos muitos faixas, mas infelizmente muitas estão em locais errados, como você mesmo enfatizou.
Obrigado por sua presença e até mais.

Comente! Aqui é o lugar!