Categorias
Blogue Idade Digital

Hospital do Câncer de Unaí e UFVJM: especulação cresce!

O Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro será construído no Riviera Park, mas até agora não foi divulgado nenhum valor referente ao que necessita-se para o início da obra reduzido o valor já arrecadado. A UFVJM, por sua vez, está com sua implantação em espera em função da falta de um local temporário para implantação temporária dos primeiros cursos. Obras que prometem afetar beneficamente toda a região e os seus cidadãos. Será que sai? Veja agora como andam as fases desses dois grandes projetos para Unaí-MG e as especulações econômicas nas áreas vizinhas aos promissores projetos. Exclusivo!

Unaí, Noroeste de Minas Gerais. A maior produtora de grãos do estado está prestes a receber dois grandes empreendimentos públicos, a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e o Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro, este último que será resultado de doações dos cidadãos e eventos beneficentes da sociedade organizada. Embora haja a expectativa de que as duas obras fiquem prontas até 2016, não há nenhuma movimentação em relação à isso, portanto, fica a dúvida se irão ou não sair essas duas obras de importância para o desenvolvimento, sustância e suporte à Unaí-MG e a todo noroeste mineiro, beneficiando não somente os setores diretamente afetados como também o comércio, o setor de serviços e o setor de construção civil.
O início da construção da obra da Travessia Urbana e a continuação da duplicação da BR-251 impulsionaram, de certa forma, as expectativas sobre o início das duas grandes obras que darão um novo conceito a Unaí-MG. No entanto, enquanto crescem as expectativas, crescem também as especulações econômicas nos locais próximos. Como de costume, o ID foi em busca de informações sobre os valores de lotes e conseguiu documentos que comprovam lotes no bairro Rivieira Park, onde será construído o Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro, por preços baixíssimos antes da notícia e aumento de mais de 400%.

Reunião com comissão de implantação do Campus da UFVJM em Unaí-MG
Depois da reunião com a diretoria da Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) em Unaí com o prefeito Delvito Alves, foi liberado no site da Prefeitura Municipal de Unaí um pequeno demonstrativo de como será a universidade e suas dependências a partir de um projeto gráfico. A imagem acima mostra várias partes da UFVJM conforme projeto gráfico digital.
A reunião que aconteceu no dia 7 do mês de fevereiro, com membros da comissão de implantação/construção da UFVJM em Unaí e o prefeito Delvito Alves, foi fundamental para reacender as expectativas da população em relação ao desenvolvimento que trará o campus da universidade federal. Nessa reunião, o pró-reitor da UFVJM, Valter Carvalho de Andrade Junior, de pós-graduação e pesquisa, Alexandre Christofaro Silva, o diretor de infraestrutura da UFVJM, Carlos Suzard e o arquiteto e consultor José Eustáquio Machado de Paiva.
A reunião consistiu basicamente em trazer à tona todos os aspectos relacionados à viabilização da obra, bem como os impactos que serão inevitáveis. Como o próprio reitor de graduação afirmou, “a implantação de um campus universitário gera consequências muito positivas para a região, bem como para o município. Isso traz um impacto muito grande no município em inúmeras áreas. Unaí deve se preparar para receber essa comunidade acadêmica, pois isso trará impactos positivos, mas também negativos, que devem ser amenizados”, explica Valter.
Desta forma, Unaí precisa antes viabilizar um infraestrutura para receber toda a demanda que será inserida no município, afinal de contas, além das centenas de estudantes que estarão em trânsito na universidade, é preciso incentivar, como nunca, o transporte coletivo e a distribuição de vagas nos vários bairros da cidade, sem saturar nenhum segmento ou bairro.
Delvito Alves, bastante feliz com a reunião, afirmou que “a implantação do campus da UFVJM não apenas em Unaí, mas no Noroeste Mineiro representa um avanço extraordinário para o desenvolvimento do nosso município e da nossa região. O Executivo será parceiro, pois é de suma importância a implantação desse campus universitário em Unaí, mas é necessário realizar um estudo mais técnico e detalhado, para que sejam iniciadas as obras o mais rápido possível. Isso trará relevantes transformações para o município”, falou com os jornalistas.
Além disso, essa reunião trouxe novas informações sobre os cursos, pois o MEC havia informado no ano passado que seriam ofertados oito cursos, mas o pró-reitor afirmou que serão ofertados apenas cinco graduações e que não há previsão de inserção das outras graduações. A propósito, inicialmente serão ofertados os cursos de bacharelado em Ciências Agrárias, que preveem a formação básica nos três primeiros anos de graduação, sendo que nos dois últimos anos o graduando optará por um dos quatro cursos oferecidos: Agronomia, Medicina Veterinária, Engenharia Agrícola e Zootecnia.
Portanto, a reunião decidiu que Delvito Alves deverá se empenhar em buscar um local temporário para instalação temporária da universidade, a partir daí, a contratação de servidores e professores é feita pelo MEC através de concurso público. Por isso, somente com essas duas ações concluídas até o final de 2013, as aulas poderão iniciar em 2014. Até o momento o prefeito municipal não deu sinal algum de que já tem algum lugar, mas disse que irá concentrar seus esforços juntos aos empresários para assim conseguir o local temporário.

ANMECC e o Hospital do Câncer: quanto falta?
O terreno, o trabalho voluntário, centenas de cofrinhos instalados em estabelecimentos comerciais, os esforços profissionais voluntários, o projeto, duas contas bancárias e a solidariedade do povo unaiense e aqueles que nos visitam e sentem sensibilizados com a causa. Mas afinal de contas, quanto ainda falta para iniciar a obra do Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro? Essa é a pergunta que não quer calar porque ainda não foi respondida. Esforços políticos nos últimos três anos deram maior publicidade à causa e assim foram conseguidas doações, mas até hoje nada iniciou. Nem mesmo a limpeza do local foi feita. Localizado no início da duplicação da BR-251, no bairro Riviera Park, o local de construção do Hospital é identificado por uma placa que informa sobre a construção do Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro.
Conversamos com dois turistas que visitavam Unaí pela primeira vez e eles afirmaram que gostariam de conhecer a obra do Hospital do Câncer que já é falado nacionalmente, principalmente porque a movimentação de um relatório na Câmara dos Deputados com resultados de incidências de câncer na região gerou polêmica no último ano. Quando afirmamos que o Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro seria construído próximo ao Colina Clube, no bairro Riviera Park, eles questionaram o porque de não haverem máquinas trabalhando no local. Respondemos que a obra é de iniciativa da ANMECC (Associação do Noroeste Mineiro de Estudos e Combate ao Câncer) e as previsões para início da construção estão agora nas mãos da ANMECC e da Prefeitura Municipal de Unaí que deverão trabalhar em conjunto para viabilizar essa obra que irá atender pacientes do município, de outras cidades do noroeste e até de outros estados.
Ao que tudo indica, pela falta de informações concedidas, é a que a obra do Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro está ficando em segundo plano por causa da falta de informação aos doadores do projeto. No último dia 25, Delvito Alves recebeu em seu gabinete dirigente da ANMECC que foram em busca de ajuda do município para com a sociedade e a própria instituição, possibilitar o início da obra do Hospital e ainda o seu credenciamento. Denise Gatto, arquiteta voluntária da obra, apresentou parte a parte o projeto à Delvito Alves que tem sua área já garantida por doação do município. O ID tentou entrar em contato por e-mail com a ANMECC já há duas semanas e não recebeu qualquer tipo de retorno.
A construção projetada terá 15 mil metros quadrados, sendo que o custo inicial projetado da obra é de R$ 4 milhões. O hospital será dividido por blocos, e cada bloco será construído somente após a conclusão do anterior, possibilitando assim a ampliação gradativa da obra e o funcionamento preliminar rapidamente. Todavia, foram protocolados na ocasião da reunião dois ofícios à Prefeitura Municipal de Unaí, sendo que um expressa o pedido de concessão de terreno na ordem de 300 metros, na área contígua ao hospital a fim de construir um anexo. O outro requerimento apontava e pedia a doação de terreno com mais de quatro mil metros quadrados para a construção de casa de apoio para familiares, pacientes e acompanhantes carentes.
Em função de ser um complexo de saúde, toda a direção arquitetônica da obra segue normas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que são bastante exigentes na aprovação dos documentos exigidos e no credenciamento das unidades, especialmente as de alta complexidade, como hospitais de tratamento de câncer. Para os dirigentes da ANMECC, as dificuldades maiores estão em torno do aparato burocrático, portanto, o credenciamento da unidade é parte que necessita de intervenção política do prefeito Delvito Alves, que já se comprometeu a ajudar levando esse assunto até o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Dinis Pinheiro, que compareceu pessoalmente à Reunião de Prestação de Contas da ALMG. Delvito também está empenhado nessa causa de forma que afirmou usar tudo que está a disposição enquanto prefeito para viabilizar a implantação desse projeto.
A esperança é que mesmo com o aluguel da casa para apoio aos pacientes e acompanhantes em Barretos-SP feito pela Prefeitura Municipal de Unaí-MG, a sociedade continue se organizando e promovendo eventos beneficentes para conceder valores para a construção do Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro e a ANMECC, por sua vez, preste contas visando impulsionar as doações dos cidadãos sensibilizados pela causa que um dia afetou ou afetará você, alguém da sua família ou na sua vizinhança.
Especulação econômica
Toda obra governamental ou privada com ordem de investimentos milionários impulsiona investimentos complexos de empresários do ramo imobiliário e de ramos afetados pelos investimentos. O número de construções em Unaí multiplicou em inúmeras vezes, a cada rua, uma construção nova foi feita nos últimos dois anos, está em andamento, ou está com projetos prontos. A chamada especulação imobiliária em Unaí-MG é vinda por causa da expectativa de chegada de vários estudantes e seus familiares para estudarem na UFVJM que ainda não começou a ser construída e depende de vários fatores para sua implantação.
No caso do Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro, a ser construído no bairro Riviera Park, os preços dos lotes e imóveis subiram a níveis assustadores. A construção de uma Loja Maçônica, a instalação de lojas de materiais de construção, o fortalecimento e ampliação de pequenas empresas, também já são efeitos dessas expectativas que só crescem. O ID foi em busca de informações exclusivas para levantar o aumento que a expectativa de início de construção da obra já provocou no local.
Em meados de 2005, no início da gestão de Antério e Branquinho, quando não havia ainda a notícia de que o Hospital do Câncer do Noroeste Mineiro seria construído no bairro Riviera Park, onde também se situa o Aeroporto Municipal que está ativo apenas para voos de batedores de defensivos agrícolas e amantes da aviação que têm seus hangares no local, o bairro era visto como mais um bairro que tinha potencial de crescimento assim como hoje são vistos os bairros Nova Unaí, Alvorada e Santa Clara. Em consulta a documentos de imóveis da Plamark, empresa responsável pela venda de lotes no bairro, um lote na alameda Riviera (via que liga a BR-251 ao Aeroporto Municipal e dá acesso principal a todas as ruas do bairro e ao bairro Vale Verde) chegou a custar R$3.000,00 em 2005 com poucas aquisições, principalmente por causa do não asfaltamento do bairro e da falta de esgotamento sanitário.
Já em 2007, a aquisição de um lote na via principal não custava mais que R$11.000,00. Os documentos comprovam que lotes de esquina, com localização privilegiada e área de 360m² chegavam ao valor máximo de R$13.000,00. Fomos em busca do proprietário de um dos lotes mais bem localizados do bairro, logo de frente ao Aeroporto Municipal, na esquina, talvez, a localização mais privilegiada do bairro; ele, que preferiu não se identificar, nos mostrou documentos que comprovam a compra do lote de 360m² em junho de 2008 pelo valor de R$15.950,00, segundo ele “um terreno que era pra ficar esquecido até valorizar”.
Hoje, cinco anos depois, ele nos conta que não entrega o lote por menos de R$120.000,00 e que chegou a receber ofertas em 2010, 2011, 2012 e neste ano pelos respectivos valores de R$35 mil, R$55 mil, R$90 mil e R$93 mil. Para ele, “o valor dos imóveis e terrenos aqui no bairro só tendem a aumentar, pois o meu sem absolutamente nenhuma construção, porém, bem localizado, está a venda pelo valor de R$120 mil e não faço menos até porque já existem construções de grande porte no bairro e os investimentos só aumentam. É uma grande promessa”, reflete o proprietário.
O aumento do valor inicialmente aplicado na compra do terreno em relação ao valor que foi ofertado ao proprietário agora em 2013 chegou a 408% de aumento. Nas áreas mais afastadas do bairro, segundo cálculos do ID, o aumento pode chegar aos 300%. O lucro do proprietário do terreno em cinco anos será, no mínimo, de R$ 77 mil. Portanto, enquanto cresce a expectativa, o mercado aquece e os cidadãos pagam mais caro por um terreno que há cinco anos atrás valia mais de 400% a menos que o valor atual. Dois fatores também influenciaram no aumento dos valores: o asfaltamento de todas as ruas do bairro e a construção da rede de esgotamento sanitário do bairro.
Bruno de Oliveira Rocha 

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!