Categorias
Blogue Idade Digital

Páscoa: celebrações em Unaí e significado

Uma data religiosa, cultural e principalmente mercadológica. A Páscoa encontrou dois obstáculos nos últimos 50 anos: o uso da data pelo mercado e a troca de significados promovida pelos avanços e quebra de tabus. Enfim, como começou a Páscoa? Qual o seu significado? Como o mercado conseguiu alterar o significado real da Páscoa? Ainda há a tradição de subir a Serra do Taquaril em Unaí?

Biblicamente, no Velho Testamento, no livro de Êxodo, a Páscoa foi a celebração da saída do povo judeu, que foram escravos dos faraós do Egito durante vários anos. Nessa data, por volta de 1250 a.C., os judeus saíram do Egito e não deu tempo de fermentar o pão, por isso, até hoje os judeus passam essa data comendo o chamado “matzá” (pão sem fermento). Vestígios hebreus constatam que a celebração desta festa também está atrelada a passagem do povo hebreu pelo Mar Vermelho, liderados por Moisés, fugindo do Egito. Com a morte e ressurreição de Jesus Cristo, a festa gerou um novo significado para os cristãos e que até hoje é cultivado por várias denominações, onde a chamada Semana Santa para os católicos ainda é um período considerado “sagrado”.

Celebrações da Semana Santa em Unaí
Para os católicos, a celebração da Semana Santa é algo de fundamental importância para a manutenção da fé e na Sexta-Feira da Paixão, onde os católicos relembram a morte e o sacrifício de Jesus Cristo na cruz do Calvário, não se come carne nem se ingere bebida alcoólica. Em Unaí-MG, o significado de Sexta-Feira da Paixão é subir a Serra do Taquaril para alimentar a fé em oração, em sacrifício, em penitência. A procissão, que normalmente sai da Igreja Nossa Senhora Aparecida, conhecida como a Igreja da Rua da Serra, vai em direção às torres de telecomunicação, com milhares de fieis, mas tem gente que sai mais cedo e faz o seu caminho pela Serra do Taquaril. Durante toda a manhã, o cruzeiro no cume da Serra vira lugar de oração, paz, choro e muita devoção. Pela noite, a encenação da Paixão de Cristo é sempre realizada.
Para os evangélicos, a Sexta-Feira da Paixão também é marcada por celebrações nos templos. A Igreja Cristã Evangélica Independente Avivada (ICEIA), por exemplo, promoveu a encenação da Paixão de Cristo e de uma forma reflexiva levou os fieis a pensarem sobre o sacrifício de Jesus Cristo por causa dos pecados de todos os seres humanos. Os avanços e paradigmas do cristianismo foi o tema do Globo Repórter, programa da Rede Globo de Televisão dessa sexta-feira (29), que teve como tema principal a renovação pregada pelo papa Francisco no Vaticano e o admirável projeto de recuperação de dependentes químicos da Igreja Batista Brasileira, iniciado em São Paulo e que se espalhou por diversas capitais. Inclusive, o ID trouxe matéria sobre o projeto no Distrito Federal: leia aqui!
Se subir a Serra do Taquaril tem significado importante para a população católica em Unaí, o projeto de construção do Cristo Redentor na área onde hoje é o atual cruzeiro no cume do morro seria o ápice para a Igreja Católica, mas esse projeto de ênfase turística foi praticamente esquecido em função de problemas ambientais na execução do projeto. Infelizmente, muitas pessoas acabam por desrespeitar o meio ambiente e num ato vergonhoso, depositam lixo por toda a Serra que é palco também de um “lual” proibido de vez em quando, segundo moradores das proximidades.
Símbolos da Páscoa
O coelho reproduz-se muito facilmente e em larga escala, por isso, virou símbolo pascal. Mas, como assim? Símbolo da fertilidade, a igreja de Cristo tem por missão “levar o Evangelho a todas as nações e multiplicar os discípulos”, portanto, esse crescimento ordenado por Cristo foi primordial para que no início do século XVIII iniciasse a verdadeira simbolização da Páscoa através do coelho.
E o ovo? Até o final do século XV, os ovos ainda não estavam popularizados como presentes pascais até que, por causa de sua capacidade vitalícia originadora de um novo ser, os missionários e os cruzados decidiram presentear com ovos na Europa Ocidental. Curiosamente e, com o passar dos anos, foram surgindo os primeiros recheios e então se começou a comercializar os ovos pintados e com recheios de diversos tipos de chocolate. Hoje, o mercado mundial é fortemente movimentado pela venda de ovos de Páscoa e há críticas constantes dos consumidores à exploração econômica feita pelas grandes marcas em cima dos ovos que equiparam-se a barras de chocolate no tamanho, mas valem quase o triplo.
Portanto, é errado presentear com ovos de Páscoa? O estudante de Teologia Marcos Vera afirma que não, segundo ele, “estamos errados em substituir o real significado da Páscoa que é a ressurreição de Jesus, portanto, se você deseja presentear seus filhos com ovos de Páscoa, deve fazê-lo explicando o significado da data para que ele não cresça com a ideia de que a Páscoa é apenas uma data para ganhar ovos de chocolate”.
Bruno de Oliveira Rocha 

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!