Categorias
Blogue Idade Digital

Jornalismo cidadão X Profissionais diplomados

Vídeos, imagens, entrevistas e documentos: tudo para cumprir apenas o dever de informar. Na era contemporânea, ainda é possível distinguir os tipos de jornalismo? Qual a importância de cada um? O que é o jornalismo cidadão? Veja o artigo que será publicado na edição 33 do jornal Folha de Unaí.

Conhecida como jornalismo cidadão, colaborativo, democrático ou de rua, a colaboração de civis comuns no processo de coleta, reportagem e análise de fatos, seja em veículos oficiais como jornais ou revistas, seja em veículos de comunicação informais e pessoais como blogs, está se tornando algo cada vez mais comum.
Com a expansão e democratização do acesso à tablets, smartphones, câmeras digitais e notebooks, o jornalismo cidadão ganhou força, sobretudo com o registro por amadores, de fatos importantes. “A pequena menina de cinco anos pode ir ali e tirar uma foto, ela pode dar um ‘furo’ incrível. Quem fez isto foi um jornalista diplomado? Não, foi uma criança!”, falou André Oliveira, chefe de redação deste impresso, em relação ao que hoje chamamos de jornalismo cidadão.
Outro fator que fez crescer o número de blogs jornalísticos e sites regionais com padrões oficiais foi a derrubada, pelo STF, da exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista, embora os órgãos sindicais de registro do jornalista ainda cobram o diploma ou pelo menos um ano de trabalho registrado na área. Com o mercado saturado, o Jornalismo passou a ser um curso acessado apenas pelos “fascinados por fazer a história”.
Na prática, “fazer a história” significa registrá-la, conta-la, criar hipóteses para análise e ajudar a resolver e esclarecer informações no menor tempo possível e para o maior número de pessoas. E se é assim, a imprensa desempenha esse papel com grande imponência. O que seria de nossa vida se nós mesmos tivéssemos que correr atrás da notícia? Por tal motivo, o profissional diplomado e registrado precisa ter seu posto respeitado por ser um multiplicador de informações; sem horários, sem preguiça, o jornalista precisa estar pronto a qualquer hora para que nós, leitores, possamos receber tudo com riqueza de detalhes, seja através da TV, do jornal, da revista, do site ou do blog.
E no caso do jornalista profissional (diplomado) não poder chegar a tempo, um jornalista cidadão – que pode ser qualquer um indivíduo portando algo para registro (câmera ou celular) – estará lá para registrar a informação. O processamento dessa informação pode ser através de veículos oficiais por meio do envio de notícias ou de veículos informais como blogs e sites pessoais.
Em Unaí-MG, nós temos uma imprensa atuante, todavia, alguns poucos veículos dão mais valor às intrigas políticas, rancores pessoais, interesses financeiros e à difamação de outrem que à essência e função de um veículo de comunicação: informar e reportar fatos. Porém, a grande maioria dos veículos de comunicação unaienses empregam bons profissionais e exportam grandes talentos para todo o Brasil.

Bruno de Oliveira Rocha 

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!