Categorias
O desafio de ser cidadã(o)

O desafio de ser cidadão: no trânsito!

Esta é a primeira postagem da série “O desafio de ser cidadão”, uma reflexão acerca do papel que nós, brasileiros e brasileiras, podemos e devemos desempenhar perante a sociedade em todas as nossas relações, bem como em todos os locais. Todas as próximas quartas-feiras do mês de agosto, às 17 horas, será possível conferir uma nova postagem, encerrando no dia 26 totalizando 5 postagens. Excepcionalmente hoje, a postagem será realizada às 20 horas. Opine, curta e/ou compartilhe.

Para começar, nada melhor que falar do terreno mais sensível e perigoso do nosso país: o trânsito. Mais de 50 mil pessoas morreram somente no ano passado e 596 mil ficaram feridas vítimas de acidentes de trânsito, de acordo com estatísticas do Seguro DPVAT (http://goo.gl/L1sIVn).

Basicamente, o trânsito têm duas regras gerais: seja gentil e obedeça às regras. Mas com tanta imprudência, é preciso adicionar uma nova regra: seja cidadão. Mas, o que é isso na prática?

Ser cidadão no trânsito é respeitar devidamente às regras de tráfego, tanto dentro da cidade quanto nas rodovias. É atentar-se para os problemas e possíveis imprudências e denunciá-las. É agir com respeito e exigir do Detran e das Polícias o trabalho de fiscalização e vigilância constante. É conduzir o veículo da melhor forma possível, com muita calma e sempre perdoando os erros dos demais.

Mas, e se for na bike?

Mais simples ainda. O ciclista, geralmente, é vítima de desrespeito por parte de veículos maiores. Portanto, tome muito cuidado ao andar de bicicleta, mantenha-se vigilante, mas nunca deixe de andar de bicicleta por medo. Além de manter “povoada” a rua, você contribui com sua saúde e com o meio ambiente. E se você é ciclista, quer saber de seus direitos e deveres (baseados no Código de Trânsito Brasileiro), além de muitas dicas, acesse este endereço (http://goo.gl/QcdKdE).

Mas, e se for a pé?

O pedestre precisa ter em mente que ele é um dos agentes de trânsito. Aliás, todos somos pedestres em algum momento, portanto, respeitar o concidadão pedestre é um imperativo. Além de fazer bem à saúde, deixar o carro ou a moto na garagem pode ser melhor, pois há falta de estacionamento nos centros da maioria das cidades do Brasil. Sempre sinalize quando for atravessar na faixa de pedestres, respeite os veículos e o temporizador dos sinaleiros. E, muito além disso, seja um pedestre vigilante, denunciando motoristas e motociclistas imprudentes.

Mas, e se for na moto?

Vento no rosto, o controle da velocidade nas mãos e a sensação de estar motorizado marcam quem anda de moto pela primeira vez. Apesar de serem vítimas de muitas imprudências de motoristas, os motociclistas têm se tornado grandes vilões do trânsito. Atravessam sinais, desdobram-se perigosamente entre os carros, ultrapassam em locais proibidos e tornam-se vítimas de suas maluquices, pois a moto em nada protege o seu condutor, sobretudo, se estiver em alta velocidade. Portanto, estar motorizado é bom, mas melhor ainda é preservar sua segurança, posicionar-se devidamente no trânsito, evitar manobras bruscas e sempre sinalizar.

Mas, e se for sobre quatro ou mais rodas?

É sempre preciso ponderar que quem é maior deve cuidar do menor, no trânsito. Esse pensamento facilmente pode ser praticado ao dar o devido espaço às bicicletas, sinalizar sempre, preferir sempre ao pedestre quando em situações de trânsito leve e tranquilo, não estacionar em vagas para idosos ou pessoas com deficiência, não estacionar sobre a calçada nem avançar sinais. Mas muito além disso, é preciso manter a calma, pois apesar de muitos motociclistas, ciclistas e pedestres estarem errados, qualquer decisão impensada pode resultar num acidente que, por sua vez, pode resultar em morte.

E, você, o que acha?

Ser cidadão no trânsito é um desafio. Mas como todo desafio, esse pode ser vencido. Bastam duas atitudes: conhecer bem as regras e praticá-las. Com certeza, o condutor de qualquer veículo passou por um centro de formação de condutores para se formar e então ser aprovado, estando apto a dirigir. Mas ainda mais importante que possuir a habilitação, é praticar o que se aprendeu.

E, para os unaienses, finalmente o trânsito está recebendo a devida atenção do poder público. Vamos lá. Agora o desafio é conseguirmos a reeducação da população, construção de ciclovias ou ciclofaixas e conseguirmos o transporte público de qualidade (que inclusive está com o edital de licitação aberto).

Ah, e dia 1º tem mais uma da série! Fique atento(a)!

Gostou?! Comente e compartilhe.

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!