Categorias
Comportamento

Quando decidi te amar

Quando decidi te amar
não imaginei que pela dor ia passar
que pela paixão iria chorar
que pelo erro teria que me afastar.

Quando decidi te amar
não imaginei que pela dor ia passar
que pela paixão iria chorar
que pelo erro teria que me afastar.

Quando decidi te amar
não percebi que no meio do caos eu ia te colocar,
não compreendi que eu pronto precisava estar,
não entendi que você não merecia isso passar.

Quando decidi te amar
estava aprendendo
ainda estou, na verdade,
que amar é mais que falar
é estar junto, é dar a mão pra caminhar,
é nos momentos difíceis chorar e das conquistas se alegrar,
é dar um tempo, mas não se afastar,
é estar pronto para o outro ajudar.

Quando decidi te amar
não importava quantos tiveram antes de mim
nem quantos ainda viriam antes de nos namorar,
mesmo que machucado eu ia ficar,
importava mesmo era que eu tinha decidido te amar,
e que do dia que juntos estivéssemos nenhum outro iria voltar,
nenhuma boca iria beijar, nem para outro iria olhar,
e só a mim deixaria, todo dia, lhe conquistar.

Eu esperei por muito tempo,
mas você não pode esperar.
O tempo urge, a vida corre
e decisões você precisa tomar.

Eu esperei por muito tempo até um beijo poder lhe dar,
eu esperei por alguém que me esperasse,
e você me esperou manifestar,
mas pelo impossível você não pode esperar.

Meu caminho é o mais difícil,
meu egoísmo te destrói,
minha inexperiência,
minha exigência,
tudo isso lhe fez escolher
o caminho menos doloroso,
aquele que eu não consegui evitar:
aquele em que o amor já não é mais amar.

Você não tem culpa,
você me amou,
você me esperou,
você me compreendeu,
ouviu e até mudou,
mas chegou o momento que não dá,
o momento que você não consegue mais ficar,
o momento que te fiz chorar,
o momento que sua dor não posso curar,
o momento que eu também não sei fazer mais que orar,
seu guerreiro perdeu a guerra,
seu soldado fez bobagem,
seu marinheiro lhe deixou afogar,
e agora não é digno nem mesmo de tentar se salvar
do naufrágio que está a enfrentar.

Ah, quando decidi te amar,
não importei quanto tempo iria demorar
para conseguir começar a te namorar,
não importei se dinheiro ia gastar,
ou se longe iríamos morar.

Ah, quando decidi te amar,
esqueci que eu era incapaz,
esqueci que eu ainda não dava conta,
esqueci que eu era mais um que tenta
e, por fim, não soma.

Quando decidi te amar,
não sabia quanto tempo iria demorar
para seus lábios tocar.
Importou, na verdade, quanto tempo levaria
para sua alma eu desnudar.

Entreguei meu coração,
me joguei de corpo e alma.
Mas eu te perdi.
Sim, eu te perdi.
E não importa o que eu faça agora,
você já foi.
Me atende, não me ignora,
mas também não retorna.
Porque embora esteja, não está.
Embora talvez queira, não consegue mais ficar.

Sozinho, abismado,
caído, machucado,
a culpa é minha, eu sei.
Mas eu preciso que alguém insista,
que alguém não desista,
mesmo quando tudo disser não,
pois foi assim que agi
quando decidi te amar,
mesmo quando eu vi que nada podia mudar,
mesmo quando você me mandou aproveitar,
mesmo quando você àquele lugar me mandou tomar,
mesmo quando você decidiu me libertar,
eu contigo quis tentar, pois nada que faria
iria mudar o fato de que eu decidi te amar.

Você esteve aqui quando eu não merecia,
agora menos mereço, eu sei.
Mas no amor não tem de merecer ou não,
não é negócio, não é sociedade empresarial,
amor é decisão, é doação, é compreensão.
Mesmo assim, se você nunca voltar,
eu não tenho do que reclamar.

Você foi mais que eu precisava,
foi tudo que eu necessitava,
era a única para quem eu olhava,
eu ignorei tudo que meu corpo pedia,
que os outros falavam,
que meus olhos apreciavam,
que meus ouvidos eram insistentes em acreditar,
só para com sua alma ficar,
para com você me relacionar,
para sua beleza aprender a elogiar,
para seu corpo aprender a tocar,
para sua alma tentar acalentar,
para com você uma vida iniciar.

Será que eu errei em decidir te amar?
Não sei, ainda confio que não.
Sofro, sim, não sei o que falar.
Não posso a nada te obrigar.
Não posso dizer pra você ficar.
Não posso, por fidelidade, esperar.
Não posso, de você, exigir me amar.
Não mereço, não tenho direitos.
Não faço jus a alguém que já amou mais que devia
quem não merecia nada mais que um olhar.

Somos jovens? Sim!
Tem outras garotas e outros garotos por aí? Tem!
Mas eu não quero te jogar fora,
por que não pode ser a primeira e a única?
Por que não podemos, pelo resto da vida,
nos experienciar, nos melhorar,
nos transformar, nos amar?

Casar? Nós queremos.
Não precisa e nem pode ser agora,
ainda temos que muito melhorar,
ainda precisamos homem e mulher nos tornar,
ainda precisamos ao Senhor Jesus nos entregar,
mas não quero brincar,
não quero para diversão num namoro entrar,
quero compromisso para não me decepcionar,
quero verdade, honestidade, transparência,
quero humildade, renúncia, complacência,
quero perdão, espiritualidade, interdependência,
quero fidelidade, disponibilidade, inteligência,
quero romantismo, brincadeiras e diálogo,
quero tudo isso e não há quem suporte
essa loucura toda sem que tenha decidido me amar,
pois isso tudo se resume em compartilhar,
pois a mesma responsabilidade terei na relação que entrar.

Quando decidi te amar,
uma pasta no meu computador fui criar,
um espaço em meu e-mail te dei,
planos na minha mente maquinei,
e uma imagem sua em meu celular coloquei.

Quando decidi te amar,
por seus medos e incompreensões quis lutar,
as coisas de menina quis escutar,
e o que chamava besteira quis apreciar,
suas dores quis entender,
suas amigas quis conhecer,
seus sonhos quis realizar,
pois isso tudo é que me deu a capacidade de aprender a te amar.

Quando decidi te amar, não sabia
não sabia que você se tornaria meu cafuné preferido,
meu abraço predileto,
meu beijo único,
meu cabelo que amo cheirar,
minha mão que insiste em se entrelaçar.

Quando decidi te amar,
não sabia que meus pais não iam gostar,
só sabia que você era capaz de fazer o essencial,
para um namoro então viabilizar,
mas quando decidi te amar,
sabia que desafios iria enfrentar,
sabia que de seu espiritual teria que cuidar,
e da sua saúde me preocupar,
mas antes disso,
soube que você estava disposta a, pelo amor, se esforçar
e então eu poderia ao seu lado caminhar.

Quando decidi te amar,
ainda não sabia com todos os problemas lidar,
e ainda não sei, confesso,
mas a gente aprende ao lidar,
com as batidas de cabeça que a gente dá,
é sonhando, planejando e construindo
que a gente chega lá.

Quando decidi te amar,
queria com você o sexo desvendar,
no tempo certo, no matrimônio,
para ver então a mulher, o orgasmo,
e o prazer se revelar, sem mácula,
sem mágoa, sem impurezas,
e por ti me preservar,
não importando o tempo e a tentação
que eu teria que aguentar
e nem mesmo o que teria que ouvir
ou o quanto iriam me caçoar
por querer assim me preservar.

Quando decidi te amar,
seus vídeos iria comentar,
suas postagens acompanhar,
seus textos compartilhar,
seu talento alavancar,
sua vida prestigiar,
da sua vida participar.

Mas… Quando decidi te amar,
sua família prejudiquei,
sua vida estraguei,
seu talento drenei,
suas forças consumi,
e o Diário que me acordava com um sorriso no rosto…
Ele acabou. Sim, você mudou. E eu não soube isso interpretar.

E agora? Teríamos que ao primeiro amor voltar,
teríamos que recomeçar,
teríamos que na praça outra vez um sorvete tomar,
teria eu que na sua boca sorvete colocar,
teria você que natural estar,
teria nós que crianças voltarmos a ser,
teria eu que para casa te levar,
e aquela imaginação sua voltar,
mas como voltar se você aqui não está,
se eu te perdi, se você vai me odiar?
Como voltar se o perdão em nós não vai reinar?
Como voltar se você com outro vai estar?
Que ele te faça feliz, pois uma música sertaneja já diz pra ele tudo que eu teria a dizer:
“cuida bem dela, você não vai conhecer alguém melhor que ela”.

Quando aprendi te amar,
não soube o que dizer,
só fazer, só tentar,
mas na falha eu te fiz afastar.
Minha inconstância,
meu desespero,
meu egoísmo,
minha fragilidade,
minha infantilidade,
mais uma vez voltou a se confirmar,
e como um grito desesperado,
estou a rascunhar um poema,
que independente do tema,
só saiu porque decidi te amar.

Capa: Pixabay.com/Reprodução

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!