Categorias
Comportamento Espiritualidade

Seja humano(a) ao ser crítico(a)

Ao criticar pessoas, nós ferimos. Ferimos o outro porque o jeito de ser envolve também tudo que carregamos conosco. É por isso que todas as formas de repressão ao ser são tão graves e merecem ser totalmente abortadas. Criticar e tentar padronizar pessoas é um erro histórico.

Recentemente enquanto eu comia um delicioso sanduíche prensado, ouvi uma frase da boca de minha namorada que me fez pensar bastante: “você parece sempre gostar de tudo porque nunca critica nada”. Na mesma hora, retruquei: “eu critico os atos, não as pessoas”. Assim como eu, ela pensa que pessoas precisam ser cuidadas.  Estávamos num diálogo sobre filmes, gostos, atitudes. E essa frase coube bem.

Acordei no dia seguinte repensando nela e resolvi escrever a respeito. Criticar atos e não pessoas não vale somente para filmes. Vale para a vida. Afinal, a nossa condição de humano, quando bem reconhecida, é repleta de falhas. Digo de “bem reconhecida” porque algumas pessoas ainda não compreenderam que a perfeição divina é inalcançável e é completa soberba tentar trazer a glória da perfeição pra si. Alguns ainda não entenderam que a gente rala os joelhos quando criança justamente pra que nunca esqueçamos: somos falhos, estamos sujeitos a cair, e somos capazes de levantar.

Ao criticar pessoas, nós ferimos. Ferimos o outro porque o jeito de ser envolve também tudo que carregamos conosco. É por isso que todas as formas de repressão ao ser são tão graves e merecem ser totalmente abortadas. Criticar e tentar padronizar pessoas é um erro histórico. Num passado não tão longe, Hitler produziu o que ficou conhecido como Holocausto. Nada mais era que uma limpeza étnica com tentativa de padronizar uma raça. Não somente foi doloroso como também falhou. Hitler não era Deus nem tampouco um demônio, Hitler era homem e errou gravemente.

E o que então fazer, quando uma posição nos é solicitada? Separe os atos, as atitudes, da pessoa. Por vezes, a personalidade irá explicar atos. Mas criticar e condenar a personalidade não evitará que estes atos sejam cometidos novamente. Pelo contrário, serão potencializados, uma vez que a personalidade reprimida tentará formas de rebelar-se contra a repressão imposta. Isto não é exclusivo dos rebeldes. Isso é cientificamente explicado.

Seja humano(a) ao ser crítico(a). Viva melhor.

Foto da capa: Reprodução/Internet

Comente! Aqui é o lugar!