Categorias
Posicionamentos

Ao me despedir do CEPASA, levo comigo as experiências

Hoje, 03 de março de 2020, me despeço do Centro Polivalente de Atividades Sociais, Culturais e Ambientais (CEPASA), no qual atuei entre janeiro de 2018 e hoje. É um dia repleto de emoções, mas também repleto de recordações. Se você tiver tempo e quiser acompanhar, vem comigo.

Hoje, 03 de março de 2020, me despeço do Centro Polivalente de Atividades Sociais, Culturais e Ambientais (CEPASA), no qual atuei entre janeiro de 2018 e hoje. É um dia repleto de emoções, mas também repleto de recordações. Se você tiver tempo e quiser acompanhar, vem comigo.

Em janeiro de 2018, assumi o cargo de instrutor de inclusão digital e de matérias relacionadas à minha formação técnica no Programa Jovem Aprendiz. Um dos registros mais marcantes foi esse, do ex-aluno Micael Carlos, que me fotografou num dos momentos mais comuns da minha aula: eu sorrindo, sentado sobre a mesa.

Já no terceiro mês de trabalho, fui agraciado com um livro do já imortalizado Ildeu Pereira da Silva, presidente da instituição.

Em maio, tive a oportunidade de certificar a primeira turma do curso de Informática Básica. Dessa turma saíram alguns alunos que são hoje aprendizes em empresas de Unaí. Nessa turma, pude conhecer algumas diferenças e a essência da adolescência durante o processo de aprendizagem.

Em julho do mesmo ano, certifiquei mais outra turma de Informática Básica, desta vez maior.

Em agosto, após longa reorganização do laboratório de informática, que se tornou a minha segunda casa, estávamos prontos para receber mais duas turmas de Informática Básica e uma de Intermediária.

As turmas que começaram em agosto reservaram a maior diversidade possível de idade. Pude me realizar dando aulas para pessoas que tinham entre 11 e 59 anos de idade.

Em outubro de 2018, após me desligar do meu segundo trabalho, foquei somente no CEPASA e passei a trabalhar, mesmo como horista, cerca de 40 horas por semana. O laboratório, que já havia virado minha segunda casa, agora era local para o desenvolvimento de uma metodologia que se tornaria replicável mais adiante. Tinha início o Currículo Flexível.

Neste ponto, ainda em outubro, tive a surpresa de ganhar um presente de uma aluna que estava concluindo a sua faculdade e o curso lhe foi útil.

Também durante minha passagem pelo CEPASA pude me tornar cobaia para o Curso de Cabeleireiro.

Em novembro, assumi mais um desafio: ministrar aulas de informática para os alunos da Guarda Mirim, entre 10 e 16 anos de idade.

Ainda em novembro, apresentei a metodologia organizada no CEPASA em um evento científico que aconteceu no Paraná, através de videoconferência. Além do trabalho sobre o Currículo Flexível, pude também apresentar uma espécie de estudo de caso sobre o uso de smartphones em sala de aula, amplamente incentivados por mim em todas as aulas. Os detalhes podem ser conferidos neste texto que escrevi para o blogue.

Girou a chave, girou de 2018 para 2019. Recebi a missão de ter à minha disposição por tempo parcial, dois jovens aprendizes, para que fossem executadas as estratégias de comunicação delineadas anteriormente. Como não dá pra começar sem conteúdo, criamos conteúdo. Eis um dos momentos-chave, aonde entrevisto um instrutor de karatê sobre as aulas, com registro da ex-colaboradora Ana Cristiny.

No início de fevereiro de 2019, agora contratado por tempo indeterminado, passei a colaborar com algumas áreas estratégicas da instituição, como a captação de recursos. Uma das primeiras tarefas foi organizar o fluxo de atendimento para que todos estivessem munidos de informações claras e um fluxo processual simplificado e direto.

Ainda em fevereiro, recebi um novo desafio, desta vez repentino: ministrar as aulas para o Curso Preparatório para o Mercado de Trabalho, substituindo uma professora com duas graduações e uma especialização. A tarefa árdua me fez deixar o curso de Informática, cujo tive a honra de conduzir a transição junto ao atual instrutor e meu ex-colega de curso técnico, Alex Lamounier.

A transição para o Alex aconteceu de forma muito rápida e com olhos fechados porque esperávamos que ele fosse tão bom quanto eu. Mas ele foi melhor e reinventou. O processo de melhoria contínua ficou por conta dele. E ele provou que capacidade não tem nada a ver com idade.

Tanto no Jovem Aprendiz quanto no curso livre de preparação para o mercado de trabalho, uma coisa era constante: trabalho em equipe, em grupos. Por semana, cerca de 200 jovens passavam sob minha orientação e tive o prazer de aprender muito com eles em atividades internas e externas.

Outro aspecto importante do mês de fevereiro de 2019 é que algumas parcerias começaram a aparecer para que os alunos do programa de aprendizagem pudessem ser beneficiados. Um dos registros é esse, da apresentação de um método para potencializar o aprendizado.

Já em março, tive a oportunidade de ensinar técnicas de vendas com prática de aprendizagem em sala de aula e, por que não, na rua?! Um dos registros é do meu rosto, com os alunos ao fundo discutindo o produto que venderiam.

Em abril, passei a colaborar com algumas rotinas administrativas e bancárias. Neste passo, só como motorista do veículo oficial.

Em abril, mês de Páscoa, ganhei mimo da Guarda Mirim.

E maio, um registro do que eram minhas aulas práticas: bagunça.

Ainda em maio, tive a oportunidade de participar de um treinamento incrível aonde consegui exercitar e aprender muitas boas práticas de gestão de organizações da sociedade civil.

Em julho, já há três meses como Gestor de Contratos do CEPASA, cumpri com o cronograma ao passar, cláusula a cláusula do contrato de aprendizagem, determinações do Ministério do Trabalho, bem como tirar dúvidas dos adolescentes e jovens do programa. O resultado de um trabalho como esse é o alinhamento irrestrito de todas as regras e normativas do Programa.

Em julho, com dois termos de fomento assinados junto à Prefeitura de Unaí, após quatro anos sem nenhum tipo de parceria entre entes públicos e o CEPASA, era difícil manter a mesa organizada. Portanto, era de celebrar momentos como esse.

Em agosto, após reformulação geral dos Cursos Livres do CEPASA, as turmas foram bem menores. Mas ganhamos na qualidade.

Esse mês de agosto foi fogo! Com a reformulação dos cursos, sobrou tempo para realizar palestras pela cidade levando a imagem institucional forte do CEPASA.

Ainda no mesmo mês, com o apoio do Sebrae, fizemos o primeiro Painel de Experiência para alunos do Curso Preparatório para o Mercado de Trabalho. Dali saiu até gente empregada.

Nas andanças de agosto pelas escolas da cidade, recebi um presente da Escola Estadual Tancredo de Almeida Neves.

E ainda em agosto, um relato de experiência que permitiu aos jovens alunos se motivarem com alguém de sua idade para enfrentarem os desafios do mercado de trabalho. Laís Áurea contou sobre sua experiência para as duas turmas.

Em setembro, tirei licença por uma semana das atividades do CEPASA para participar da Campus Party Goiás, um evento de tecnologia, inovação, ciência, tecnologia e empreendedorismo. Uma oportunidade de aprender para repassar o que há de mais novo no mercado para os alunos.

No retorno da Campus Party, as atividades do Curso Preparatório para o Mercado de Trabalho contaram com as atividades de intervenção das estagiárias de Psicologia, Elaine e Kamilla. O registro de uma das atividades mostra a perfeição com que o trabalho foi executado, agregando ainda maior valor à experiência dos alunos.

No fim de setembro, após finalizar com êxito o curso de Pintura em Telas, cuja coordenação do plano de trabalho correu por minha conta e execução por parte de duas pintoras, entreguei em praça pública certificados reconhecendo o trabalho delas. O registro é da Ana Luiza Castro, integrante da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Unaí.

Ainda em setembro, no mesmo evento de entrega dos certificados do curso de Pintura em Telas, tive a oportunidade de falar sobre a importância das atividades culturais na cidade e o quanto o CEPASA se alegra por ter uma galeria de artes. O registro, de novo, da Ana Luiza Castro.

Em outubro de 2019, o maior desafio: a realização da I Semana de Ciência e Tecnologia do CEPASA. Graças ao empenho de toda a Comissão Organizadora e de mais de 70 pessoas, entre painelistas, voluntários, estagiários, palestrantes e expositores, conseguimos realizar. Ali, um marco para a minha vida e para todos que participaram.

Uma das coisas boas de realizar um evento maior, aberto à comunidade, é contar com os esforços conjuntos e fazer tudo acontecer por meio do “nós” e nunca do “eu”. Essa foi uma parte da equipe que, entre um trabalho e outro, se manteve mais firme.

Tem mais outra coisa legal: ao fazer um evento maior, é necessário cobertura de imprensa para maximizar os ganhos do evento. Tivemos aparição ao vivo na Inter TV Grande Minas, o evento foi citado na TV Rio Preto e na Rádio Vitória, de Paracatu. E claro, tivemos uma cobertura interna da nossa ainda provisória Assessoria de Comunicação. Para realizá-la, treinamento (como sempre!), como registrado pela ex-estagiária Bárbara Fonseca.

Foi também durante a SNCT do CEPASA, em outubro, que estreei uma das palestras que mais gostei de dar, que é sobre ferramentas verdes para a comunicação empresarial. O registro é da nossa então social media Ana Cristiny.

Em novembro, encontramos novos profissionais que se juntaram à equipe do CEPASA e ficou na minha responsabilidade desenvolver um treinamento para eles. Também era de minha responsabilidade buscar parcerias para agregar valor às aulas. De novo, o Sebrae entrou junto fazendo uma Oficina do Microempreendedor Individual.

No finzinho de novembro, após um processo longo de seleção, fui um dos 50 finalistas do Prêmio Jovem Destaque, uma iniciativa da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas Jovem). Fui até Belo Horizonte para acompanhar o resultado e fazer parte de uma imersão muito relevante, com excelente networking e palestras muito importantes para a compreensão da situação fiscal do Brasil. O resultado foi positivo, embora eu não tenha sido um dos 10 ganhadores do prêmio. Valeu a experiência e ter chegado tão longe, representando a reformulação dos Cursos Livres do CEPASA como case de intraempreendedorismo.

Virou o ano. E com ele, vieram novas responsabilidades. Tive a honra de representar e ter espaço de fala em nome do CEPASA na primeira reunião ordinária de 2020 do Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paracatu, que abrange nossa região.

Já na reta final, ainda no mês de fevereiro, comecei a fazer a descaracterização dos espaços e a transferência de conhecimento para meus pares e para a minha substituta. Bastante alinhado com os objetivos institucionais, a transmissão foi feita de forma ordeira, pacífica, sem qualquer tipo de mágoa ou ressentimento. E aquela frase, por ora, sai de lá e permanece na minha mente, conforme o registro abaixo.

É muito provável que você, que chegou até aqui, pense que há coisas que não postei no Instagram. Verdade? Sim. Mas o essencial é isto. É perceptível o quanto o CEPASA contribuiu na minha formação humana e profissional. Repito: levo comigo as experiências e o aprendizado.

Um abraço a todos.

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

2 respostas em “Ao me despedir do CEPASA, levo comigo as experiências”

BRUNO, nós FAMILIA CEPASA, sentimos muito a sua saída pois VC é um ser humano muito especial, querido, entendemos que queira alçar novos vôos mas nunca que fosse sair daqui. Como diz nosso Presidente Sr. ILDEU vc faz parte do patrimônio CEPASA …. o seu trabalho aqui foi maravilhoso, engrandecedor, deixando vários rumos de seguimentos que continuaremos com muito afinco… OBRIGADO POR TUDO e esperamos que algum dia ainda volte para o nosso QUERIDO CEPASA ….

Comente! Aqui é o lugar!