Categorias
Finanças

Para empreendedores: como utilizar as mídias sociais para o enfrentamento de crises externas como o COVID-19

Se você é um pequeno empresário ou um microempreendedor individual, vem comigo que vamos trazer algumas dicas para você usar ferramentas gratuitas a seu favor: as mídias sociais.

O novo coronavírus chegou e trouxe um alarmante número de medidas para contenção do avanço da doença – também pudera, já são mais de 2 mil casos e mais de 50 mortes em menos de um mês! É bem provável que o seu negócio tenha caído o faturamento, isto se não tiver sido fechado por causa da epidemia. Se você é um pequeno empresário ou um microempreendedor individual, vem comigo que vamos trazer algumas dicas para você usar ferramentas gratuitas a seu favor: as mídias sociais.

Entender o que é uma crise é o primeiro passo. Denominamos crise situações que saem do controle ou pelo menos de um planejamento prévio. Crise, portanto, é tudo aquilo que gera instabilidade. E nos negócios, instabilidade significa perda de faturamento, demissões e, às vezes, até o fechamento do negócio.

Portanto, a pandemia de coronavírus é uma crise. Porém, externa. Assim como situações políticas e fiscais de um país podem afetar diretamente a economia, também questões de saúde têm o mesmo efeito, com um agravante: perde-se mão de obra, perde-se faturamento, perde-se poder de compra por parte do consumidor. O dinheiro para de girar, tanto pelas mortes que são ocasionadas, tanto pelo sistema de saúde que demanda cada vez mais leitos, tanto pela economia que vai arrefecendo em setores que só têm movimento em tempos não pandêmicos, como o de turismo. A verdade é que a rotina muda. E o empreendedor, muitas vezes, está sem saber para que lado ir.

Se o empreendedor encontrar na crise um momento para reavaliar sua conduta pessoal e profissional, estará mais susceptível a sair dela mais cedo. Enquanto que ficar buscando soluções para manter o seu faturamento alto, sem nenhum tipo de empatia pelos seus e pelos outros, vai levá-lo ao declínio. É exatamente sobre estratégias de marca que vamos falar. Seja a marca do empreendedor que acabou de abrir seu negócio de brigadeiros gourmet ou da padaria com 300 clientes que teve seu faturamento diminuído para 15% do habitual devido à quarentena. Todo mundo está sofrendo e só podemos sair da crise juntos.

Use as mídias sociais

  1. Se você ainda não tem perfis nas principais redes sociais do mercado (Facebook e Instagram), crie. Se necessário, contrate um profissional para que possa fazer a criação e gestão dos perfis. Há planos de gestão de mídias sociais que profissionais cobram entre R$ 150 e 300 reais por mês, fazendo um trabalho orgânico de promoção dos produtos e serviços, de forma ordenada, limpa e com planos claros. Mas se você não tem recurso para investir, crie você mesmo.
  2. É muito bonito ver marcas como Nubank, Inter, Outback, etc. se posicionando diante da crise, mas nunca se esqueça que eles são gigantes e têm profissionais estratégicos para lidar com crises como esta. Se você não tem profissionais da área, o melhor é manter um posicionamento neutro, informar ao seu cliente apenas o que ele quer saber: quais serviços e produtos você oferece que vão mudar a vida dele. É muito comum que donos de pequenos negócios misturem opiniões pessoais em perfis de mídias sociais de seus negócios. Isto é um erro que afasta potenciais consumidores e custa caro à marca.
  3. Em tempos de pandemia, aonde o delivery se tornou opção muito valiosa, entenda se o seu negócio de produtos pode oferecer o delivery ao seu cliente. Se não puder, estude outra forma de facilitar a vida dele. O foco é sempre o cliente. Um esforço firme e cansativo agora vai garantir que o seu cliente se lembre com prazer de você. As mídias sociais te ajudarão a conectar-se com esses clientes satisfeitos e fidelizados.
  4. Se você trabalha com serviços, há muitas formas de facilitar a vida do cliente e todas elas podem ser comunicadas através das mídias sociais. Por exemplo, se você é um chaveiro e presta serviço a domicílio (pode fazer uma divulgação em massa, usuário a usuário). Se presta o serviço de cópia de chaves no estabelecimento, poderá manter o estabelecimento de portas fechadas, divulgar isso nas suas mídias sociais e oferecer um serviço de delivery – claro que o custo aumenta um pouco e vai ser repassado ao cliente. A ideia é sempre não deixar o cliente sem opções, em especial, aqueles que são fidelizados.
  5. Para quem trabalha com alimentos, as mídias sociais têm um poder muito especial: o de transferir a cozinha do seu estabelecimento para a casa do cliente. Comece a trocar uma ideia cara a cara com o cliente. Mostre para ele o processo de como as coisas são feitas. Agregue valor emocional ao bolo, ao pão de queijo, à rosca, ao salgado que vai ser entregue para ele. Crie um vínculo um a um. Se tiver um grupo com os clientes, não tenha medo de mandar aquela foto daquele bolo lindo que acabou de sair do forno. Seus clientes vão estar com muita vontade de comer e vão pedir. Se você não tem serviço próprio de delivery, verifique nos apps de comida como fazer para se cadastrar.

Organize seu Negócio

Para o pequeno empreendedor, que tem a chave de todas as portas de seu negócio, é muito tentador fechá-lo e ir descansar, já que não pode funcionar durante o tempo de pandemia, né? Mas… Não é bem assim.

  1. Transformar o tempo de quarentena em tempo de organização pode ser uma tacada que vai colaborar com o desenvolvimento futuro do seu negócio. Lembre-se: portas fechadas, sem exceção, para não abrir chances de contaminação. Mas você trabalhando, preferencialmente com máscaras e aplicando álcool em gel. Colocando as notas fiscais em dia. Aquele balanço de mercadorias que estava atrasado. Dando um limpa em produtos vencidos ou que vão vencer durante o tempo de quarentena. Lançar produtos em um catálogo virtual. É tempo de organizar.
  2. Repense o seu negócio: você já tem um plano de negócio? Se não tem, é hora de fazer. “Ah, mas plano de negócio é só quando a gente está começando!” Mentira! Esse pensamento limita a correção durante o processo de crescimento e pode levar à falência. O plano de negócio explicita muitas informações que ficam obscurecidas enquanto você está na frenesi do seu negócio. Pare, coloque no papel. Verifique se o rumo que seu negócio tem tomado é aquele que você planejou e se há mercado para isso. Se não, é hora de ajustar as velas. E com tudo parado, fica mais fácil pensar.
  3. Como é sua relação com os funcionários? Como eles se sentem? Elabore uma pesquisa de satisfação online ou faça uma videochamada para lavar a alma com seus funcionários e escutá-los. A partir dessa pesquisa ou dessa conversa, muitos bons frutos podem sair. O bom empreendedor é aquele que valoriza a sua equipe, pois sabe que ela é a principal responsável pelo sucesso da sua empresa. Também é importante avaliar os cargos. Há alguém sobrecarregado? Precisamos contratar alguém com melhores competências? É possível trazer um estagiário pra equipe? Ou um aprendiz? Sangue novo tende a fornecer um olhar muito diferenciado e necessário em tempos disruptivos como esse em que vivemos.
  4. Você já recebeu uma visita do Sebrae no seu negócio? Se a sua resposta é não… Dá uma olhada aqui nas várias possibilidades de atendimento que o Sebrae oferece. Tanto presencial quanto virtual, tanto na sua empresa quanto na agência do Sebrae em sua região. Além disso, o Sebrae também tem vários cursos e atividades – gratuitas e pagas – para te ajudar a gerir melhor o seu negócio. Costumo dizer assim para meus clientes de consultoria: segura na mão do Sebrae e vai!
  5. Organizar seu negócio também tem a ver com limpeza, conforto, organização física e higiene! Se seu negócio tem áreas que quase nunca veem água, está na hora de arregaçar as mangas, comprar produtos de limpeza e dar uma nova cara a esse espaço. Se tem teias de aranha, vamos tirar. Um estabelecimento limpo e cheiroso é um lugar que queremos ficar mais tempo. Se você deixa seu estabelecimento assim, seu cliente passará mais tempo lá e, consequentemente, irá aumentar as compras.

Olhe para sua comunidade e para as suas carências

Muitos negócios estão focados num único objetivo: lucro. E é verdade: nenhum negócio sobrevive sem lucro. O que não te contaram é que ao focar somente no lucro, você perde muitas oportunidades. Não te espanta ao ver que marcas como o Banco Inter façam generosas doações ao sistema público de saúde na ordem de milhões de reais? Você pode pensar que é “apenas porque são bancos e eles têm rios de dinheiro”. Mas não. Vai além. Veja um pequeno exemplo a partir de comentários dos clientes do Banco Inter após o anúncio de doação de respiradores para Minas Gerais:

Clientes do Banco Inter se manifestam no Twitter parabenizando a ação do banco (Foto: Reprodução/Twitter)
  1. Você não é um banco, você não tem dinheiro sobrando, mas será que não tem uma causa local que mereça sua atenção? Talvez a sua comunidade tenha um centro que atenda crianças carentes. Fazer doações eventuais ou programadas, ainda que de pequeno valor, poderão colaborar com as atividades daquele centro e ainda gerar empatia de seus clientes para seu negócio. Olhe para sua comunidade e para as suas carências. Aja!
  2. Pense bastante no tipo de ação que fará para divulgar seu negócio nas redes sociais. Muitas pessoas nesse tempo de pandemia ficarão sem seus empregos e passarão a produzir conteúdo online. Que tal patrocinar um nano ou microinfluenciador para fazer propaganda da sua marca, do seu negócio? Leia um artigo para entender mais do assunto. Mas preferencialmente aquele que já é seu cliente, que já conheça o seu negócio. Nada de pagar por pagar. O interessante é que a pessoa realmente goste de seus produtos ou serviços.
  3. Ao olhar para sua comunidade e entender as suas carências, comece a pensar como seu cliente. Por que ele te procuraria ao invés de procurar o concorrente? Preço, serviço, facilidade, localização? O importante é ter algo em que o seu cliente será beneficiado. Neste tempo de pandemia, se você tem um estabelecimento que não é fechado por decreto, aproveite para oferecer conveniências e divulgar isso através das mídias sociais. Por exemplo, recargas de celular.
  4. Já imaginou se seu negócio fosse considerado também um curador de informações verdadeiras? Se você tem um profissional de comunicação na sua equipe, pode deslocá-lo para ajudar os seus clientes a terem informações confiáveis e ficarem mais tranquilos em tempos de pandemia. Mas pode ir além. Que tal fechar uma parceria com uma livraria ou um sebo e mandar um livro de presente para aqueles clientes que estão curtindo a quarentena no ócio? Ou quem sabe contratar uma psicóloga para fazer uma live para seus clientes conversando sobre saúde mental? Pense sempre na sua comunidade com empatia.
  5. Aqui agora conto um case. Meus pais desde 1993 são comerciantes. Começaram no Goiás e há mais de 20 anos estão em Minas Gerais. Apesar de qualquer outro aspecto negativo da gestão comercial, tem algo muito legal que sempre percebi no coração do negócio deles: sempre entramos no clima do futebol. Vocês se lembram da Copa de 2002? Estávamos com TV ligada de frente pra rua, pipoca e refri de graça. Se lembram de 2006? Troca a pipoca por churrasco. Se lembram de 2010? Mesma coisa. Se lembram de 2014? Pintamos a rua, distribuímos estalinhos para as crianças da rua, pintamos rostos, compramos bandeiras, compramos uma nova TV, tinha bacia de pipoca para todo mundo, Wi-Fi liberado, enfim. Se lembram de 2018? TV ligada, pipoca e refri de novo. Isso nunca fez o negócio ir mal. Pelo contrário, foi o que o salvou em tempos de crise. Ser empático com a comunidade não é apenas chorar com ela, mas se alegrar também. Convido você, empreendedor, a comprar essa luta do seu cliente e a sorrir com ele quando tudo isso passar.

Te desejo muita sorte. Mas acima de tudo, coragem e foco! Mantenha seu olhar firme porque quando tudo isso passar seu negócio estará melhor, servindo ainda mais à sua comunidade. O lucro é consequência.

Se você precisar de mais informações sobre como procurar o Sebrae no seu Estado, acesse sebrae.com.br.

Se você precisa de cursos para o seu negócio, além do Sebrae há várias instituições que estão oferecendo cursos à distância. Como temos muitas oportunidades, deixarei um resultado de uma busca no Google aqui. Delicie-se clicando aqui.

ATUALIZAÇÃO: Conteúdo do grupo de WhatsApp

Lista de Sites Importantes:

Portal do Sebrae sobre o Coronavírus – https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/coronavirus

Mapa em Tempo Real dos Casos de Coronavírus no Mundo – https://infographics.channelnewsasia.com/covid-19/map.html?cid=covid19map_mobile-banner_24022020_cna

Portal do Ministério da Saúde dedicado ao Coronavírus – https://coronavirus.saude.gov.br/

O que fecha e abre, o que passa e o que não passa durante a pandemia nos Estados – https://www.poder360.com.br/coronavirus/brasil-parado-saiba-o-que-abre-e-o-que-fecha-nos-estados-e-nas-capitais/

15 cursos de marketing digital gratuitos – https://reportei.com/cursos-marketing-digital-gratuitos/

Plataformas de cursos à distância gratuitos – em várias áreas – https://brunocidadao.wordpress.com/2019/03/16/o-maravilhoso-mundo-dos-cursos-livres-ead-gratis/

ÁUDIO DA LIVE

Comente! Aqui é o lugar!