Categorias
Educação Finanças

Volume, consistência e organização na prática

Seu único problema é que sempre parece que você não consegue produzir. Ou que sempre produz, mas é pouco demais. Ou ainda que produz muito, mas gasta tempo demais com retrabalho para organizar os seus resultados. Você não está sozinho(a). Muita gente passa por isso e a boa notícia é que dá para organizar-se melhor, produzindo mais e ao mesmo tempo mantendo um ritmo tranquilo.

Tem sido muito comum ouvir profissionais dando dicas de equilíbrio profissional mencionando as palavras-chave volume, consistência e organização. Isso vale para projetos, atividades, conteúdos. Saltando aos olhos de muita gente que acha que é fácil se tornar um robô produtor, vem aquela ideia de que se você é organizado(a) será consistente e, portanto, produzirá em grande volume. Não é bem assim, mas é importante começar.

Volume tem a ver com quantidade de atividades, projetos e/ou conteúdos que você produz, gerencia, realiza. Consistência tem a ver com continuidade, planificação, compromisso e sequência. Organização tem a ver com qualificação, exatidão e gestão. Entender e praticar os três conceitos é fundamental para ter um equilíbrio profissional, sim. O que não se pode esquecer é que a nossa carreira profissional é apenas uma das áreas de nossas vidas. Grave isso: uma das áreas de nossas vidas. Não é a mais importante porque todas as demais também são importantes. É apenas essencial.

Por experiência própria, bati de cara com a constatação de que, não importa o quanto você ganhe nem tampouco o quão prestigiado(a) você é, nada vale sua saúde mental e física. Existe uma diferença entre se esforçar um pouco mais e estar entregue totalmente à sua carreira. É possível que a carreira coexista com a saúde. Se uma elimina a outra, é hora de trocar de emprego ou de empreendimento. No entanto, é também preciso entender se a sua saturação mental ou física tem a ver somente com aquele emprego ou com outras questões mal resolvidas na sua vida pregressa. Tem gente que não teve oportunidade ainda de fazer terapia. O meu conselho é: ligue agora, nem continue o texto, para um profissional de Psicologia e marque sua sessão.

Se você já sabe tudo isso, vamos partir do pressuposto de que você seja mesmo uma pessoa equilibrada. Que pratica exercícios físicos, tem uma qualidade de vida razoável e uma saúde estável. Seu único problema é que sempre parece que você não consegue produzir. Ou que sempre produz, mas é pouco demais. Ou ainda que produz muito, mas gasta tempo demais com retrabalho para organizar os seus resultados. Você não está sozinho(a). Muita gente passa por isso e a boa notícia é que dá para organizar-se melhor, produzindo mais e ao mesmo tempo mantendo um ritmo tranquilo.

Organização

A base é essa. Não podemos fugir da tão temida organização. Se você é acumulador ou acumuladora… Deixe de ser. Organização não rima com acumulação. Às vezes você demora muito tempo organizando coisas que nunca irá usar. Na prática, te recomendo ser o mais minimalista possível. Evite lixo, evite rascunhos que não irá usar e equipamentos que poderiam ser dispensados.

A começar de sua mesa de trabalho: tenha apenas os itens que irá usar. Se você precisa de uma caneta, mantenha duas na mesa, não dez. Se você precisa de uma régua, mantenha uma, não duas. Se você precisa de um envelope uma vez na semana, coloque-o na gaveta ao invés de deixar à vista. Se você é do tipo que costuma esquecer do que precisa fazer, anote. Mas num único lugar ou em dois, se for mesclar físico e virtual. E por fim, revise sempre a fim de que você nunca passe de uma semana para a outra com sua mesa desorganizada e materiais inúteis nela.

Consistência

A palavra de ordem para qualquer projeto, após sua organização, é “comece”. É preciso começar. Mas além de começar, é preciso continuar. Portanto, defina seu ritmo. Por exemplo, para 2020, minha meta de produção de textos para o blogue (eu não tinha anteriormente nenhuma meta definida) era de um texto por semana. Em janeiro, escrevi um texto. Fevereiro, um pouco mais. Março, bem mais. Em maio eu já tinha batido a meta do semestre, sem saber. Só fui deixando fluir e aconteceu.

Mas se você tem metas, não deixe fluir, o ideal é ir conferindo para se ter consistência no longo prazo. E não se descabele se num mês ou em outro você não conseguir alcançar. Outro ponto relevante da consistência é que você não precisa esperar amanhã para começar a produzir nem precisa comprar isso ou aquilo. Você pode começar com o que tem. E assim, você desenvolve consistência no caminho, melhorando suas produções e suas tarefas à medida que novas ferramentas vão sendo introduzidas. O importante é começar e não parar, sempre experimentando novas técnicas.

Volume

Muita gente quer começar pelo volume. Defino quanto eu produzirei ou quanto alcançarei e a partir dali faço o meu planejamento. Mas é um caminho tortuoso que tende a dar errado. O volume precisa ser a última coisa a se pensar. E também requer de nós sensibilidade para avaliar se produzir um alto volume de conteúdo, atividades ou projetos será realmente viável, necessário e/ou interessante.

Muitas atividades requerem de nós um volume muito grande de ações e, consequentemente, isso nos cansa. Portanto, nem todo volume alto é bom. Torna-se interessante diagnosticar o que produz resultados positivos, o que produz neutralidade e o que produz resultados negativos. Antes que você se pergunte o que fazer com o que produz resultados negativos, te faço uma outra pergunta: mais um, menos um dá quanto? Se você não deixar de produzir resultados negativos, os seus resultados positivos lhe serão inúteis. Portanto, conclua, desista, pare de fazer aquilo que não lhe traz resultados positivos ou neutros.

E como começar tudo isso?

Há uma ferramenta de gestão de tempo e produtividade que é muito funcional para mim. Talvez lhe seja também. É a matriz de Eisenhower.

Matriz de Eisenhower (Fonte: Power Image/Reprodução)

Basicamente, cada projeto, atividade ou evento que demandar uma posição sua terá que ser submetido à essa análise na matriz. Se a atividade for importante e urgente (quase tudo não é), faça agora. Se a atividade for importante, porém não urgente, agende, exceto se você puder concluí-la em menos de dois minutos (aí faça agora mesmo). Na parte de baixo, gosto de chamar de “eu não vou fazer isso”. Se é urgente, porém não importante, peça outra pessoa para fazer – se você tiver essa facilidade, é claro. Se não é importante nem mesmo urgente, elimine, você não precisa dessa atividade e ela será apenas um ladrão de tempo e esforço.

Que possamos produzir consistente e organizadamente sem medo de descansar quando quisermos. Boa produtividade a você. E lembre-se que descanso nunca é tempo perdido. Você estará sendo produtivo para si mesmo(a).

Se você gostou desse texto, você pode compartilhar com a sua rede, inclusive com os seus colegas de trabalho. Mas lembre-se: é só se você quiser.

4 respostas em “Volume, consistência e organização na prática”

Comente! Aqui é o lugar!