Categorias
Espiritualidade

O templo como lugar de desenvolvimento humano

O templo religioso é um lugar de desenvolvimento humano com filosofia espiritual. Se o sistema religioso não permitir que isso aconteça, há algo de errado.

Não sei se você tem vocação para participar de um grupo religioso como eu, mas eu e um bocado de gente tem. Isso não nos faz melhores nem piores que ninguém. O que, no entanto, podemos afirmar é que o templo religioso é um lugar de desenvolvimento humano com filosofia espiritual. Se o sistema religioso não permitir que isso aconteça, há algo de errado.

Até este momento da minha vida, pude conhecer várias igrejas de vertente evangélica, algumas católicas e pude me relacionar com pessoas praticantes ou representantes eclesiásticos do espiritismo, umbandismo, candomblé e dos vales do amanhecer. Também já pude conversar com agnósticos e com ateus. No entanto, não posso falar além dos sistemas religiosos que já participei.

Durante a infância tive passagem breve como ouvinte no catolicismo e no pentecostalismo. Após conhecer o sistema batista, por lá me batizei e fiquei até 2018, quando pedi afastamento numa decisão não ligada ao sistema, mas à uma situação pessoal conflitante que vivia e que, até então, era a última a se tomar. Após me desligar, não me integrei a nenhum sistema novamente, até que busquei conhecer um ministério evangélico interdenominacional e, gostando, fiquei. Me integrei há alguns meses e tenho sido útil em algumas parcelas de serviço que a igreja disponibilizou para que eu atuasse.

As experiências religiosas que tive no sistema batista foram muito boas. E por ora, também tenho tido experiências boas no atual lugar em que estou. Feitas essas apresentações iniciais que distribuem a razão para eu escrever este texto, partamos para a discussão sobre o uso do templo religioso.

Acredito que a adoração à divindade, em qualquer sistema religioso, é o elemento central da religião. No entanto, não necessariamente, esta precisa ser feita no ambiente do templo religioso. Então, para que o templo religioso serve? Bom, para inúmeras funções, dentre elas promover o desenvolvimento humano a partir de uma filosofia espiritual.

Há igrejas, por exemplo, que promovem dentro dos seus espaços várias atividades educacionais, esportivas, sociais, de acolhimento, etc. Esse uso multiforme do templo nos dá a característica mais essencial do templo: ele é feito para pessoas.

Eu, por exemplo, gosto muito dos cultos que, nas denominações religiosas em que já participei, chamam-se “Escola Bíblica Dominical”, um culto dedicado ao ensino bíblico, à compreensão histórica e prática da Bíblia que, para os cristãos, é a única regra de fé e prática. A tendência é que, nesses cultos, a reflexão esteja acima do delírio, do êxtase e do apelo festivo que muitos outros cultos podem ter.

Por exemplo, recentemente, numa dessas escolas, eu tive oportunidade de ouvir sobre o título “Caminhos para a soberba”, uma mensagem que, entre outras coisas, falava sobre complexo de inferioridade e de superioridade, e autoafirmação humana. No dia anterior, eu havia tido uma das mais tensas discussões da minha vida com alguém que gostava muito. Eu estava extremamente raivoso, me sentindo incompreendido, mas ao meditar no estudo, fui percebendo que aquele episódio do dia anterior tinha raízes fortes no meu complexo de inferioridade e, consequentemente, na minha necessidade de autoafirmação. Ou seja, eu estava (ou talvez ainda esteja) no caminho para uma segunda queda trágica e fui alertado através daquela reflexão.

Há, por fim, que se falar sobre a instituição “igreja” e sua correlação com o sistema religioso. O sistema religioso é cheio de regras muito chatas. Quanto menos regras o sistema tem, mais considerado libertino ele é. Porém, quanto mais regras, mais monstros ele produz. Quanto mais o sistema é desumano, mais desumanidade ele provoca, ao invés de produzir pessoas melhores. Portanto, a diversidade de sistemas religiosos é muito bem-vinda porque cada humano tem um estilo próprio de relacionar-se nos sistemas e, portanto, tem oportunidade de escolha.

O sistema religioso jamais poderá ser maior que a igreja, que é tanto o indivíduo quanto o grupo de indivíduos que se reúnem num espaço com uma finalidade religiosa, pois se o sistema foi maior que a igreja, o sistema perde sua função de servir às pessoas e passa a servir a si próprio. “A religião mata, Jesus salva”, essa é uma frase que muitas pessoas feridas por sistemas religiosos proclamam – e com razão.

Se você se encontrar no sistema do cristianismo, que você tenha a mensagem da cruz como o seu norte como sempre. Que possamos nos desenvolver enquanto humanos, em especial, nos templos que consideramos religiosos.

Comente! Aqui é o lugar!