Categorias
Relacionamentos

Se você racionalizar a paixão, ela morre

É preciso se precaver, eu entendo e concordo, mas economizar na paixão quando se sabe o que quer é, no mínimo, horripilante. Podemos domar as atitudes que temos a partir da paixão.

Algumas pessoas dizem: “é preciso racionalizar a paixão”. Os motivos são vários, mas nenhum deles considera que racionalizar um sentimento avassalador, súbito e indomável é, nada mais nada menos que, matá-lo. Racionalizar a paixão, em palavras simples, claras e ao mesmo tempo, grossas, significa transformar um sentimento nobre em atitude calculada.

Dentre os motivos está o “não se machucar”. É preciso se precaver, eu entendo e concordo, mas economizar na paixão quando se sabe o que quer é, no mínimo, horripilante. Porque, dificilmente, você terá condições de voltar atrás após fazer essa “racionalização”. Os sentimentos são indomáveis do ponto de vista de sua existência. O que podemos domar são as atitudes que tomamos a partir deles.

Quando o assunto é paixão por uma profissão, por um ofício, talvez estejamos deslocando o centro da discussão para suas bordas: quando gostamos muito de fazer algo e sentimos prazer impagável na realização daquela tarefa aquilo que tanto gostamos nos possui, nos domina, nos faz ir além do que pensamos ser aceitável. E só temos essa condição excepcional porque nosso corpo reage bem e não se cansa, nem fisicamente nem psicologicamente.

Quando o assunto é paixão por alguém, são as loucuras, concessões e disposições absurdas que marcam a existência dela. Deus que me livre de ter um relacionamento com alguém que não seja, no mínimo, surtada. Porque é desse povo mais louco, disposto, que não marca hora para ser feliz nem lugar para desabar em lágrimas que saem as boas histórias. E não há humano sem histórias, mas há alguns que se comportam como livros de autoajuda no estilo ‘just do it and be happy’, outros como sonetos shakesperianos, outros ainda como coleções de J.K. Rowling. A quantidade de experiências, a riqueza delas e, principalmente, a qualidade delas é o que determinará o tamanho do livro da nossa vida.

Por isso, retomo: se você racionalizar a paixão, ela deixa de existir. E bom, você pode escolher o seu modo de vida. Seja cauteloso na escolha e generoso na execução. Que rolem as lágrimas. Que sua terça-feira seja como um feriado em uma cidade litorânea e seus domingos deixem de ser solitários: apaixone-se hoje!

Por Bruno Cidadão

Comunicador | Pesquisador | Checador

Comente! Aqui é o lugar!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.