Categorias
Comportamento

Millennials, frustrações e coragem – um papo

Estamos frustrados e podemos ser considerados em algum nível azarados, se comparados com a geração anterior. No entanto, é neste espírito que crescem duas outras fortalezas: a vida e a coragem.

Categorias
Relacionamentos

O encanto que passa

O que mata é a falta de amor, não a abundância dele. Que você se encante sem medo. Só perde a vida quem não se encanta.

Categorias
Comportamento

Eu sou “cringe” desde quando a definição era “cafona”

Na escola, eu era considerado X-9, cafona e pagador de mico. Mas eu continuo sendo cafona, agora atualizado, cringe.

Categorias
Cultura

Parar e silenciar – uma reflexão sobre “Você me bagunça”

Mas e depois que a bagunça está feita e só nos resta parar e silenciar? Essa música também nos traz a certeza de que, embora não seja tão confortável a afirmação, a bagunça faz parte de nossas vidas como incerteza.

Categorias
Comportamento

Até quando menos é mais? Reflexões sobre minimalismo gráfico, arquitetônico e emocional

Para cada um dos tipos de minimalismo que narrei, trouxe uma condição básica da existência do conceito e a condição de perda ou de desfragmentação do mesmo com o passar do tempo. Menos é mais até quanto? Até que ponto o minimalismo é minimalismo?

Categorias
Comportamento Relacionamentos

O tempo de viver aventuras passageiras

Hoje, um pouco mais velho e consciente de tudo isso, percebo que falhei ao queimar etapas na adolescência. E chego a outra dura constatação: o tempo perdido não volta, mas há como aproveitar o que se tem no hoje e acelerar processos não vividos, bastando vivê-los com a consciência do hoje.

Categorias
Masculinidade

#Masculinidade: masculinidade ferida

Neste segundo texto da série #Masculinidade, vamos falar sobre um tema caro a nós, homens: masculinidade ferida. É sim, aquele papo, que muitas feministas por aí jogam na nossa cara e… Quer saber? Tem muita verdade no que elas falam.

Categorias
Masculinidade

#Masculinidade: homem também chora

Uma das grandes dificuldades do homem é respeitar suas próprias dores. Estamos finalmente nos permitindo compartilhar não somente as conquistas, mas também as derrotas, passamos a falar não somente de nossas fortalezas, mas também de nossas fraquezas.